Isadora

Como sempre faziam na maior parte dos finais de tarde, Katia e sua avó Edith, recostadas respectivamente no sofá e na poltrona bergère da sala, repetiam seus rituais de leitura: livros de pintura para a avó, livros de balé para a neta. De repente,  a menina exclamou: – Olha só, vó,

Continuar lendo

Odete, Aurora ou Clara?

Katia e sua avó pintora estavam recostadas no sofá azul da sala, ouvindo música. Música de balé. Música do compositor  Peter Ilyich Tchaikovsky. – Vou pintar uma bailarina!, disse a avó. E complementou: – Qual você gosta mais? A Odete, a Aurora ou a Clara? Katia respondeu: – Chiii… não sei!

Continuar lendo

Criar é uma forma de resistir

Há várias formas de resistir a um status quo, à inércia, a uma situação negativa, que vai contra o Ideal de qualquer um de nós. Uma delas é através da criação. A personagem é uma pintora francesa, autodidata, que pintou, nos anos 40, a Resistência Francesa em solo brasileiro. Um

Continuar lendo

As mães de Portinari e de Cecília

Cândido Portinari (1903-1962) e Cecília Meireles (1901-1964) foram impressionantemente contemporâneos. Pintor e poeta atravessaram os mesmos tempos, respiraram o mesmo ar da pintura e literatura modernistas, sofreram as mesmas dores no parto de suas obras. Em algumas delas, a personagem “mãe” se fez representar. “Vigília das Mães”, de Cecília Meireles

Continuar lendo

Van Gogh: 40 autorretratos e 800 cartas

Vincent van Gogh, sem dúvida o mais conturbado e valorizado pintor do século XIX, pintou mais de 40 autorretratos somente no período 1886 a 1889. Ele também teria escrito mais de 800 cartas, a maioria para o seu irmão Théo.  Por que Van Gogh tinha esta imensa necessidade de expor

Continuar lendo

A bailarina de tutu amarelo

Era final de tarde. O sol se punha no horizonte. E Katia folheava um livro. Um livro cheio de imagens. Imagens de bailarinas. As imagens das bailarinas eram do pintor Edgar Degas. A avó de Katia já tinha falado muita coisa de Degas para a neta. Que ele era conhecido

Continuar lendo

Pollock e os fractais

Dias atrás, escrevi neste blog o post “As gotas de Pollock”.  Como era de se esperar, alguns comentários de não compreensão de sua arte surgiram: “Isso eu também faço.” … ou “Pra mim são só rabiscos, minha neta também faz.” … ou ainda “É isso que acontece quando você é

Continuar lendo

A fada bailarina lilás

– Existem fadas bailarinas? Essa foi uma pergunta que a menina Katia fez para a sua avó pintora que pintava bailarinas. A partir daí, mergulhamos no universo de Charles Perrault, o famoso criador de “A Bela Adormecida” e “Pele de Asno“, entre tantos outros contos maravilhosos… – Existem fadas bailarinas?, perguntou

Continuar lendo

As gotas de Pollock

Jackson Pollock (1912-1956) é um dos maiores pintores norte-americanos do século XX, referência no movimento do expressionismo abstrato. Ele desenvolveu uma técnica de pintura, criada por Max Ernst, o ‘dripping’ (gotejamento), na qual respingava a tinta sobre suas telas. Pollock pintava com a tela no chão, e não utilizava cavaletes, isto

Continuar lendo

Do barroco ao moderno, perucas… hoje, de papel

No período barroco, lá pelos idos do século XVII, imensas perucas estilizadas, enfeitando cabeças de homens e mulheres, costumavam fazer sentido como parte da indumentária da época.  Já mais tarde. um século depois, talvez tenha sido a rainha Maria Antonieta, aquela que foi decapitada, a figura mais lembrada portando o

Continuar lendo