Arte digital (parte I): Alexey Kondakov

O que vem a ser arte digital? Simples. Quando o artista cria no ambiente gráfico computacional, ele está produzindo arte digital. E a arte digital pode ser enquadrada na arte contemporânea? Sim, sobretudo se levarmos em conta que a arte contemporânea é representada por vários movimentos artísticos, revelando-se por meio de diversas

Continuar lendo

A Física na pintura de Vermeer

Muito já se escreveu sobre a relação da Matemática com a Arte. Por exemplo, o numéro Phi, ou número áureo, definido por Euclides há mais de 2000 anos, foi ilustrado pela primeira vez por Leonardo da Vinci, em seu célebre “Homem Vitruviano.” Michelangelo, Botticelli e Salvador Dali também utilizaram a

Continuar lendo

Guerra e Arte

“Guernica” talvez seja a obra mais conhecida de Pablo Picasso (1881-1973), um dos maiores pintores do século XX. Com 3,49 m de altura por 7,76 m de comprimento, “Guernica” é um imenso mural pintado a óleo em 1937, sendo uma “declaração de guerra contra a guerra e um manifesto contra

Continuar lendo

Búfalos, bisões, touros e bois

A família bovina data de 5 a 10 milhões de anos. A evolução desta família deu origem a várias espécies, até chegar aos nossos atuais bois, que encontramos hoje nos pampas, nos churrascos e nos supermercados. Uma destas espécies, o bisão da estepe, surgiu há cerca de 2 a 5 milhões

Continuar lendo

A arte com papel de Yulia Brodskaya

Qual é o papel do papel na Arte? O que todo mundo sabe é que se usa o papel como suporte. Suporte para desenho. Suporte para pastel. Suporte para pintura.  Que, aliás, não é tão valorizado quanto a tela como suporte, por exemplo. Mas Yulia Brodskaya não faz arte em

Continuar lendo

Pablos e Ediths

Em muitos de meus posts, gosto de colocar lado a lado pintura e poesia. Cores, formas e palavras. As cores ganham significado e as palavras ganham forma. Neste post, vou além. Escolhi dois nomes. Pablo e Edith. Um Pablo da pintura e outro da poesia. Uma Edith da pintura e

Continuar lendo

Casas de Vincent van Gogh

Nos seus 37 anos de vida, Vincent van Gogh (1853-1890) habitou 37 endereços. Estes números fazem do artista um nômade. Casas, albergues, pousadas, não importa, ele precisava sempre mudar de ares, mudar de cheiros, mudar de luzes. Associamos Van Gogh a girassóis, campos de trigo e autorretratos. Algumas flores… talvez.

Continuar lendo

Palhaços e Cristos de Georges Rouault

Georges Rouault (1871-1958), o mais importante artista cristão do século XX, nasceu em Paris, em um 27 de maio. Eu também. Na mesma cidade. No mesmo dia. Mas muitos anos depois… Este foi o motivo que me levou a escrever este post. Nesta semana. Na foto ao lado, Rouault em seu atelier.

Continuar lendo

As mães de Mary Cassatt descansando nos versos de Drummond, Vinicius e Quintana

Mary Cassatt (1844-1926) foi uma pintora nascida na Pensilvânia, Estados Unidos. Considerada uma grande pintora impressionista, Mary passou boa parte da vida adulta na França, tendo sido grande amiga de Edgar Degas . Seus trabalhos costumam ser sobre o cotidiano de mulheres, com ênfase nos momentos íntimos de mães e

Continuar lendo

Nos dias de Van Gogh, as batatas eram assim…

Quase sempre, associamos Van Gogh a girassóis. Ou à famosa “Noite Estrelada“. Ou a sua orelha cortada.   Ou ainda a campos de trigo. Com ou sem corvos. Mas quem associa Van Gogh a batatas? Uma das mais eloquentes obras de Vincent van Gogh (1853-1890) é “Os comedores de batatas“. Este

Continuar lendo