Mulheres em pincéis femininos

Ser mulher é uma bênção. Ser artista é um dom. Ser artista mulher é uma dádiva. Ser artista mulher que pinta o feminino é extrapolar bênçãos, dons e dádivas. Este post fala de sete artistas mulheres que pintaram/pintam o feminino.  A escolha foi subjetiva, motivada por envolvimentos e preferências pessoais. Estas

Continuar lendo

Carnaval e quase cinzas… de Edith Blin

Hoje ainda é Carnaval. Amanhã já serão cinzas.  Cinzas de um tempo que não volta. Cinzas de uma alegria que já se sentiu. Cinzas de uma arte que um dia foi criada. Cinzas de um carnaval de Edith Blin. A obra – “Carnaval” ou “Folia Carnavalesca” – é de 1945. Setenta anos,

Continuar lendo

Até o Carnaval chegar…

O que a gente faz até o Carnaval chegar? Bem, eu – seguindo minha paixão pela pesquisa e curiosidade incontida – resolvi pesquisar a origem da festa e os artistas que pintaram o Carnaval. Vocês sabiam que o Carnaval é uma festa que se originou na Grécia em meados dos anos 600 a 520 a.C.?

Continuar lendo

E pra não dizer que não falei das flores

Resolvi comemorar o primeiro aniversário do blog ArtenaRede falando de flores. Tendo escolhido o tema, é natural que apresentasse neste post obras do mestre Monet, com as flores do seu grandioso Jardim de Giverny, ou com os vigorosos girassóis de van Gogh, ou ainda com as maravilhosas composições florais de

Continuar lendo

Pensando em árvores…

Assim como as árvores, também sentimos o vento, a chuva e o sol. Que nos fazem viver. Assim como as árvores, também sentimos a carícia e o abraço. Que nos conforta. Assim como as árvores, também sentimos a pancada e o abate. Que nos mata. Desde sempre, pintores, poetas e escritores louvaram

Continuar lendo

Praia de Ipanema há mais de 60 anos, segundo Edith Blin

Para os que a conheceram nos meados do século passado, a praia de Ipanema mudou demais. Demais mesmo. Já quase não cabe nas lembranças de quem, como eu, frequentava suas areias limpas, suas águas espumantes, seu espaço para a tranquilidade… Havia dunas. Muitas dunas. Abraçando as dunas, um cobertor verde de vegetação

Continuar lendo

Moulin de la Galette, o “point” parisiense do século XIX

As origens do famoso Moulin de la Galette, situado à rua Lepic, na Butte de Montmartre, em Paris, lugar eternizado por vários artistas do século XIX, remonta a 200 anos anos antes, em 1622, quando nasceu o moinho le Blute-fin. Um outro moinho, o le Radet, nascido em 1717, juntou-se ao le

Continuar lendo

Violões em foco

Gosto muito de relacionar coisas. Outro dia, estava pensando em qual seria o instrumento musical mais representado na pintura. Após alguma pesquisa na Internet (olha ela aí de novo…), o violão já despontava na frente. Senão, vejamos: Inicio com “Mulher tocando violão” , de Jan Vermeer (Holanda, 1632 – 1675).  Vermeer,

Continuar lendo

As três orquídeas de Edith e de Cecília

Um tanto quanto difícil foi escolher o tema do primeiro post do ano que se inicia. Percorri algumas alternativas e resolvi me decidir por flores, e mais especificamente, as orquídeas de Edith Blin (1891-1983) e de Cecília Meireles (1901-1964). Já escrevi sobre As flores de Edith neste blog. Naquele texto, eu

Continuar lendo

Presépios de Chico Joy: um elo perdido na tradição natalina

Continuo imbuída da temática natalina. A bola da vez é o presépio. Pesquisando na Internet (sempre ela!), descobre-se que foi São Francisco de Assis (sempre ele!) que montou o primeiro presépio, no Natal de 1223.  Era feito de argila, foi montado na floresta de Greccio – comuna italiana da região

Continuar lendo